sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

DURA VERDADE, MAS A VERDADE




Quando teus passos te levarem às celas,
Para confortar os que lá trancamos,
Lembra-te das vítimas e das seqüelas
Deixadas naqueles que ignoramos.

São estes em verdade os prisioneiros,
Condenados à dor, à orfandade,
Pelos assassinos, ladrões rueiros,
Cuja única meta é a maldade.

São as vítimas que se encontram tristes
E que merecem teu conforto amigo,
Não os malfeitores a quem assistes.

Os seres humanos, depredadores,
Devem pagar o crime com castigo,
Pois só assim provocam menos dores.





AUTOR.: LUIZ CARLOS MONTEIRO NOGUEIRA
VALENCIA-RJ