terça-feira, 3 de janeiro de 2012

PROMESSA ESCOTEIRA








Não vamos tentar consertar a culpa do passado vamos aceitar nossa responsabilidade pelo futuro.

A PROMESSA ESCOTEIRA
                           
A Promessa Escoteira tem um valor enorme para todos que entram para o Movimento Escoteiro. Muitos ainda não analisaram sua importância.  Irá fazer parte por toda a vida. Não importa se participando ou não. Conheço alguns grupos que ainda fazem a promessa do jovem para que ela seja uma lembrança para sempre. Outros, no entanto ainda não raciocinaram de seu valor.

Meu pequeno comentário não pretende modificar ou mesmo influir nos Grupos Escoteiros que realizam a Promessa conforme aprenderam ou faz parte de uma tradição em seu Grupo Escoteiro. Sei que todos procuram dar a ênfase para que o dia seja muito especial para o noviço e para que sua permanência seja frutífera por muitos e muitos anos. Seja ele lobinho (a), escoteiro (a) sênior, guia pioneiro (a) ou escotista.

Quem já a fez sabe. É um dia esperado, contado, sonhado, e que deverá ficar marcado para sempre. É uma cerimônia individual e não coletiva. Ele é a pessoa mais importante naquele dia. Para isto os escotistas responsáveis devem estar preparados para pequenas regras que irão dar um valor enorme ao dia do promessado.

Acredito e não tenho nenhuma sombra de dúvida que é uma cerimônia da sessão, privada, sem a presença de outras sessões do grupo. A participação é exclusiva para o Diretor Técnico e os escotistas da seção. Se houver mais de um preparado para a promessa, esta deve ser realizada em dias diferentes. Afinal para que a pressa? Colocar dois, três ou mais fazendo a promessa simultaneamente não é benéfico. Já disse, é um dia especial, para aquele que vai fazer. A ele todas as honras do dia.

Quando for entrega de certificados, seja de tempo de atividade, especialidades, ou ourtoga de Liz de Ouro, Escoteiro da Pátria, e claros os cordões de eficiência, aí sim, deve ser entregue na presença de todo o Grupo Escoteiro. (dentro das possibilidades é claro). A promessa não. É um dia de festa, de alegria, quem sabe um bolo ou o que a tradição mandar. Sim, deve-se criar uma tradição.

Já vi Tropas que fazem a promessa, próximo a uma lagoa ou um rio, ao entardecer. O por do sol trás um encanto inesquecível. Outras que faziam em acampamentos, quando do fogo de conselho. A Bandeira do Brasil ficava postada em um mastro especifico para ela. Outras no próprio acampamento faziam uma cerimônia especial durante a promessa. Não digo o que é melhor. Melhor é a aprovada em Corte de Honra.

Lembro ainda que fiz a minha em um fogo do conselho. Fui o responsável para acender o fogo, usando só um palito de fósforos. Que sensação! Todos olhando e eu tremendo! Risos. Treinei semanas. Após a promessa, saltei o fogo três vezes com os olhos vendados seguro pelo monitor e recebi meu nome de guerra que guardo até hoje. Tupã. Era uma tradição na tropa. De anos. Risos, eu sei, alguns acham que isso é impossível. Não se pode, não é assim que aprenderam em cursos. Claro eu sei o que aprenderam. Aprenderam o que os diretores ensinaram e que aprenderam eu seus grupos de origem. Risos.

Um adendo, também não sou a favor da entrega de Insígnias da Madeira, condecorações ou certificados de agradecimento em Congressos ou encontro nacionais ou regionais. Ora, ora, o Escotistas ou o agraciado trabalhou em seu grupo a vida inteira que não pode ver a cerimônia de ver seu querido chefe neste dia maravilhoso. Está outorga é importante demais para que não seja celebrada com aqueles que participaram da vida e do crescimento do interessado em seu habitat natural.

Voltando para a Promessa, admite-se em alguns casos (eu não o faria) pode-se até convidar os pais ou responsáveis. Quem sabe reforça o orgulho do (a) noviço (a) e claro dos pais, pois vão se orgulhar e muito daquele dia. Por favor, não convide autoridades, políticos, a não ser se estão de uma maneira ou de outra ligada na cerimônia. Repito, não é uma cerimônia pública.

A propaganda, o proselitismo e o marketing não fazem parte da promessa na comunidade. Existem outras formas para isto. Já vi diversas cerimônias sendo feitas por uma gama enorme de Grupos Escoteiros com todos perfilados levantando a mão a direita e repetindo com o dirigente o que diz a promessa. Claro, como dizia BP o importante é o resultado. E se deram bons frutos não se muda o que está dando certo. Mas que não marca não marca.

Mais parece militares em dia de fim de curso. Só falta jogar o chapéu ou boné para cima. (risos). Agora se deu resultado me calo. Veja resultado é fazer com que o jovem fique por mais de três anos na seção. Todos. Não um pequeno número.

Não se faz uma promessa sem uma preparação com antecedência. Não importa quem seja. Do Lobinho ao Escotista. A Promessa não é um prêmio, ela é um fato importante em toda a vida do jovem. É tão simples saber no caso de tropas quando o noviço está preparado. Seu monitor sabe. O Conselho de Patrulha sabe. A Corte de Honra sabe. E no caso do adulto o Conselho de Chefes sabe. Não é o Diretor Técnico que decide.

Acreditamos que as etapas solicitadas por cada sessão, foram cumpridas. Acreditamos também que no caso dos lobinhos, o responsável já conversou com ele, mostrou sua responsabilidade (lembrar sempre do melhor possível), o que se espera dele, o significado da Promessa e da Lei do Lobinho. O orgulho do uniforme (só veste neste dia), sua manutenção, apresentação, do garbo e finalmente se ele ou ela estão prontos para a Promessa.

As condições para a realização da promessa, a conversa individual, o de acordo da Corte de Honra acredito que todos sabem como é. BP era enfático ao dizer que qualquer um pode ingressar em um Grupo Escoteiro, mas ser escoteiro não é para qualquer um (disse em outras palavras). O Espírito Escoteiro, tão delineado e comentado faz parte da iniciação quando da promessa e segue por toda a vida escoteira. 

Muitos escotistas acham que a promessa deve ser repetida pelo jovem e não dita diretamente. Eu fico com a segunda parte. Acho que o jovem deve saber bem a promessa e dizê-la com toda clareza. Isto vai fazer com que o significado seja bem maior. Nesta parte, acho que cada um deve analisar qual é a melhor para a cerimônia.

O responsável pela cerimônia é o chefe da seção. Cabe a ele dirigir. Como fazer depende de cada sessão. Se ainda não foi criada uma tradição então que se faça conforme é feito atualmente. Mas sempre aconselho deixar que a Corte de Honra discuta o tema entre as patrulhas e crie uma tradição. Ela marca!


Tenho visto promessas de escotistas, que nem sabiam que iam fazer a promessa. São pegos de surpresa. Por quê? Ele também é como o jovem, ele espera o dia, sonha com ele, cada reunião é uma agonia. Será hoje? Um dia ele cansa e se vai, sem fazer a promessa.

Muitos não vão concordar comigo, mas olhem, querem valorizar o uniforme? Não deixem que ninguém coloque peças antes da promessa. Nunca! Nem o Escotista noviço. Porque? Para valorizarem, para saberem que quando o portarem terão feito sua promessa, terão orgulho dele!

A promessa é somente a ponta do iceberg para que possamos atrair e manter o jovem e o adulto no movimento escoteiro.  Muito do que realizamos em nossos Grupos Escoteiros o fazemos sem olhar para frente e para o passado. Quantos somos e o que seremos fica uma incógnita. Isto vai depender de todos. De mim, de você e de todos os escotistas brasileiros.

Tente fazer sua própria pesquisa em seu Grupo Escoteiro. Seja leal com você mesmo. Não enxergue somente a alegria de hoje nos jovens que participam. Tentem ver os que não estão mais. Analise o porquê. Procure meditar pesquisando a falta de adultos em seu grupo. (claro se isto acontece) Se o escotismo é formidável, se você não pode viver sem ele, se ele é a razão do seu modo de ser é interessante analisar porque também os outros não participam. Onde está o erro?

Infelizmente estamos pisando o mesmo caminho há anos. Uns poucos resolveram mudar e a mudança não sei se é a que iremos ao caminho para o sucesso. Quando falamos em tradições em manter o que fomos, o que somos hoje e no que seremos amanhã, então teremos dado um passo gigantesco para o crescimento escoteiro em nosso país.

 E para terminar, pergunte a você mesmo o que pode fazer para que a evasão acabe. Para que milhares e milhares de jovens corram aos grupos escoteiros para participarem. Plagiando John Kennedy repito as palavras dele de forma escoteira: - “Meus irmãos escotistas do Movimento, não perguntem o que o escotismo podem fazer por vocês. Perguntem o que vocês podem fazer para o escotismo. Que ele seja grande e forte e possa dar a juventude brasileira o que nós recebemos”. Honra, ética e caráter!!!

Não conheço nenhuma fórmula infalível para obter o sucesso, mas conheço uma forma infalível de fracassar: tentar agradar a todos



FONTE: CHEFE OSVALDO